Balanças. Você sabia?

Que a calibração é válida somente se for calibrada no local de instalação?

Em função das peças móveis a calibração de balanças é efetuada somente no local de instalação e isso independe do tamanho da balança.

Que se você tirar a balança do local o certificado de calibração pode deixar de ser válido?

Sim. Em função das peças móveis não é recomendado a mudança de local da balança após sua calibração não tendo como assegura que os valores contidos no certificado de calibração sejam válidos.

Ler mais

Porque comprar calibradores passa-não-passa

O calibrador passa-não-passa é um dispositivo, vamos chamar assim, largamente utilizado na verificação de peças em processos fabricação mecânica principalmente em usinagens o qual tem como objetivo, identificar as peças que estão dentro dos limites definidos em projeto.

E esse é o ponto. Verificar se a peça está dentro dos limites definidos em projeto.

Os limites são definidos em função do ajuste necessário para execução do encaixa que aquela peça terá que poderá ser móvel ou fixo, havendo uma tolerância para cada situação.

Com base nisso é necessário que os calibradores passa-não-passa sejam fabricados em máquinas que tenham a resolução e construção adequada de forma a possibilitar que o calibrador tenha a medida adequada assim como também, esteja dentro da tolerância indicada para um calibrador passa-não-passa e esse é o motivo pelo qual não se deve simplesmente, fabricar calibradores passa-não-passa.

Se um torno não tiver a resolução adequada ou estiver com folgas excessivas ou ambos os casos, dificilmente iremos conseguir fabricar um calibrador passa-não-passa que esteja dentro das especificações de uso e ai, só iremos gastar tempo e dinheiro.

Bom, ai vem a pergunta. Mas se o calibrador passa-não-passa estiver calibrado não saberemos o erro possibilitando o uso do calibrador?

Esse é outro problema. Diferente de um instrumento de medição onde obtemos valores em função do que estamos medindo, o calibrador passa-não-passa não possui escala e a calibração e sim muito importante porém, só serve para confirmar se o calibrador possui as características metrológicas gravadas nele.

Então antes de fabricar um calibrador passa-não-passa veja se você possui a máquina que tenha as características ideais para fabricação do calibrador.

Como executar as verificações intermediárias

Você sabia que o instrumento que você está usando pode indicar valores incorretos mesmo após a calibração?

A resposta é sim. Já falamos em vídeos no nosso Canal do YouTube sobre a calibração de instrumentos de medição e que os certificados de calibrações validam passado e não futura (veja o EP-004) sendo necessário a execução de verificações periódicas para confirmação das características metrológicas dos instrumentos de medição e qual o período de verificação?

Vamos por parte.

Primeiro – Como executar a verificação periódica?

A verificação tem como objetivo confirmar se as características metrológicas permanecem as mesmas do momento da calibração.

O primeiro passo é determinar o processo de medição e os instrumentos que serão utilizados como referência. Como estamos falando em uma verificação não é necessário que o instrumento que será utilizado como referência tenha característica metrológica superior ao instrumento que está sendo verificado, mas se puder utilizar um que tenha, melhor.

O segundo passo é determinar os pontos a serem medidos que devem ser os mesmos indicados no certificado de calibração. Somente desta forma, você terá como comparar os valores sem fazer conta. Não é necessário fazer a medição de todos os pontos contidos no certificado de calibração, mas é aconselhável medir os pontos extremos e pelo menos um ou dois pontos intermediários.

O terceiro e último passo é o erro e a incerteza do instrumento e comparar os valores encontrados na verificação com os valores contidos no certificado de calibração e verificar se está dentro do critério de aceitação. Também é importante incluir os valores medidos na análise de tendência (veja o EP-xxx) para acompanhamento do comportamento do instrumento lembrando que, a incerteza da medição deve ser considerada na análise de tendência.

Periodicidade da verificação intermediária.

Inexiste uma fórmula para determinar o período que o instrumento deverá ser verificado, mas em função da análise de tendência é possível estimar a próxima verificação. Quando inexiste parâmetros é aconselhável que a verificação seja efetuada trimestralmente para ai sim, determinar a periodicidade da verificação intermediária.

Importância dos blocos padrão

Por ser a representação materializada do metro, o bloco padrão é de fundamental importância na indústria metal-mecânica tendo origem no Século 18 quando o Sueco Cristopher Polhem, criou uma barra com diferentes espessuras.

Classe de exatidão.

O bloco padrão possui 5 classes de exatidão sendo 00, K, 0, 1 e 2. Cada classe possui uma função específica sendo:

  • 00 – Padrão de referência em laboratórios secundários sendo utilizado como referência na calibração de outros blocos padrão;
  • K – Possui a mesma característica metrológica da classe 00 porém com maior tolerância no comprimento. Também é utilizado como referência na calibração de outros blocos padrão;
  • 0 – Orientado para a execução da calibração e ajuste de máquinas de medição como máquinas tridimensionais, projetores de perfil entre outros assim como, dos instrumentos de medição em laboratório;
  • 1 e 2 – Utilizados no controle da produção assim como na verificação dos instrumentos de medição utilizados no processo de fabricação como paquímetros, micrômetros entre outros.

Importante ressaltar que independente da classe de exatidão o bloco padrão deve possuir:

  • exatidão dimensional e geométrica;
  • ótima aderência;
  • estabilidade dimensional ao longo do tempo;
  • coeficiente de dilatação térmica próximo aos metais comuns;
  • resistência a corrosão.

Armazenamento.

Para uso diário, os blocos padrão devem ser armazenados submersos em benzina ou protegidos com vaselina neutra devendo ser dada atenção especial a superfície polida já que esta é a superfície de medição. Para utilização os mesmos devem ser limpos caso estejam protegidos com vaselina e aguardar a estabilização com a temperatura ambiente.

Os blocos padrão nunca devem ser armazenados unidos o que poderá acarretar na corrosão das superfícies de medição.

Processo de colagem.

O processo de colagem dos blocos e de grande importância uma vez que, caso seja feito de forma incorreta o bloco padrão poderá ser riscado. Para a colagem dos blocos precisamos posicionar os blocos a um ângulo de 90° entre as superfícies de medição e com uma leve pressão, girar ambos os blocos de forma que fiquem no mesmo sentido.

Para os blocos padrão de grande comprimento, acima de 100 milímetros ou com colagem superior a 5 blocos padrão, é aconselhável a utilização de acessórios para união de blocos padrão.

Importância do bloco na indústria.

A principal aplicação do bloco padrão está na verificação dos instrumentos de medição utilizados no processo produtivo. Conforme mencionado em vídeos postados no Canal da AUNA Metrologia no YouTube o certificado de calibração valida medições efetuadas no passado e não no futuro sendo necessário a confirmação das características metrológicas destes instrumentos ao longo do tempo de forma a garantir sua utilização no processo produtivo.

Outras aplicações como a confirmação de dimensional de peças com a utilização de relógios comparadores e apalpadores também poderá ter o bloco padrão como referência entre inúmeras aplicações.

Canal da AUNA Metrologia no YouTube.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Twitter
YouTube
LinkedIn
Instagram
× Clique aqui e fale conosco